Portal Sistema Firjan
menu

Notícias

Infraestrutura / Competitividade

Brasil precisa atingir seguridade no setor elétrico, segundo Conselho Empresarial de Energia Elétrica da Firjan

Tempo médio de leitura: ...calculando.

Publicado em 23/07/21 15:00  -  Atualizado em  23/07/21 15:02

Os impactos da crise hídrica no setor elétrico e as ações mitigadoras por parte do governo foram tema de debate durante reunião do Conselho Empresarial de Energia Elétrica da Firjan, em 22/7. As consequências da escassez de chuvas para o sistema produtivo do país têm preocupado os gestores da indústria. No encontro, Luiz Augusto Barroso, diretor-presidente da PSR – consultoria que oferece soluções tecnológicas para os setores de energia elétrica e gás natural –, expôs dados do setor elétrico brasileiro relativos às perspectivas de suprimento para 2021.

Barroso, ex-presidente da Empresa de Pesquisa Energética, do Ministério de Minas e Energia, destacou as medidas conduzidas pela pasta e apresentou uma análise de risco. Segundo ele, “estamos expostos à incerteza associada à transição entre os períodos hidrológicos seco e úmido de 2021 e 2022”. O palestrante alertou ainda que a média da energia natural afluente está entre as mais baixas das últimas décadas. Junho de 2021, por exemplo, atingiu o equivalente a 64% da média histórica do mês, enquanto maio ficou em 63%.

“Hoje existe um risco que é influenciado pela demanda e é mitigado pelo governo. Mesmo com as ações do governo, observamos um risco no atendimento de ponta. É um quadro que demanda muita atenção e cautela”, ponderou.

Entendimento sobre desafios

A questão do horário de verão, abolido desde 2019, também foi discutida. A conclusão de Barroso é que a utilidade do mecanismo está mais relacionada ao estímulo ao consumo consciente da população em relação à economia energética. O presidente do conselho, Firmino Sampaio, concordou. “A aplicação tem mais o sentido do exemplo para que não se deixe nenhuma ponta do sistema escapar. Devemos usar os mecanismos institucionais para atenuar a crise”, ressaltou ele, destacando que o encontro teve como objetivo proporcionar entendimento sobre os desafios da crise hídrica.

Vice-presidente do conselho, Luiz Alquéres alertou para o que denomina “seguridade” e sua importância para o empresariado. “Nós, industriais, deveríamos mudar a palavra segurança para seguridade, uma noção mais ampla. As análises atuais dizem que há uma boa chance de ter problemas ou uma chance pequena, desconsiderando os custos. Antes, a energia não era tão essencial quanto hoje, por conta da informática”.

Segundo Barroso, “a resiliência será atingida com a diversificação da matriz”. “A dúvida é em relação ao custo. O Brasil não fez um planejamento dessa conta integrada entre todos os energéticos, não é só eletricidade e água. O setor elétrico sempre assumiu que teria prioridade sobre todos os insumos energéticos, independentemente de reconhecer que existem prejuízos, como no caso, agora, da escassez da água”, resumiu.

 
Para Empresas
Competitividade Empresarial Educação Qualidade de Vida